• Nova abordagem reduz custos de sistema de bombeamento em 20%

Worker in facility
A maioria dos problemas de eficiência resultam de um desencontro entre a operação das bombas e as necessidades do sistema real.

Em ambientes de fábrica e produção, os custos com eletricidade são responsáveis por 40% do custo total de propriedade (TCO) de uma bomba. Ao seguir melhores práticas de gestão de energia, uma indústria pode reduzir o consumo elétrico de suas bombas no mínimo em 30%, gerando uma redução de 20% no TCO e um retorno de investimento em até 24 meses.

Gráfico 1: Perfil típico do custo do ciclo de vida de uma bomba (Cortesia do Hydraulic Institute and Pump Systems Matter)

27.jpg

Se melhorar a eficiência energética de um sistema de bombeamento pode resultar em economias significativas, por que as equipes de operação têm tanta dificuldade em iniciar alterações? Normalmente, a classificação de desempenho dos sistemas de bombeamento não está vinculada à eficiência energética, dificultando a justificativa de recursos para melhorias na área de energia. Entretanto, com um investimento limitado, os três passos básicos do gerenciamento de energia a seguir podem ajudar indústrias a cumprir suas metas de sustentabilidade e reduzir os custos de vida dos equipamentos.

Passo 1: Administre sua eficiência energética A maioria dos problemas de eficiência resulta de um desencontro entre as operações das bombas e as necessidades reais do sistema, e do uso indevido de válvulas estranguladoras e tecnologias de dampers para controlar o fluxo de líquidos. Uma solução simples é instalar inversores de frequência variável (VSDs), que permitem desempenho de alto eficiência e podem economizar 20% da energia à 100% de fluxo e 36% com fluxo de 60%.

  • Substitua acionamentos fixos por inversores de frequência variável controlar a rotação, a pressão o e fluxo.
  • Monitore dados de produção e de consumo de energia por meio de software de sistema de controle para tomadas de decisões econômicas.
  • Monitore o ponto de operação de uma bomba e sua eficiência, para descobrir tendências como base para ações na área de eficiência.
  • Use métricas para marcar alterações na eficiência e para comparar o desempenho de bombas.

Passo 2: Mantenha seus ativosOs custos de manutenção representam 25% do TCO de um sistema de bombeamento, e as práticas de manutenção contribuem para as economias influenciadas pela energia. A manutenção correta de motores, acionamentos, bombas e tubulações associadas é fundamental, pois a eficiência cai entre 10 a 15% em uma bomba sem manutenção.

Gráfico 2: Curvas de custos de diferente abordagens de manutenção (Cortesia da Penn State University / Applied Research Laboratory - “Arquitetura de sistemas abertos para manutenção baseada na condição”)

 

27-2.jpg

  • Estabeleça planos de manutenção preventiva para conduzir inspeções sistemáticas e detectar falhas em potencial antes que elas ocorram.
  • Monitore o sistema de bombeamento e junte dados relacionados à energia e ao processo para permitir uma manutenção baseada na condição – a abordagem mais econômica. A manutenção baseada na condição acompanha os dados do sistema ao longo do tempo e, como resultado desse monitoramento, propicia uma avaliação precisa do estado do equipamento e ajuda a prever quando ocorrerá uma parada.
  • Implemente medidas de manutenção corretiva, conforme necessário, para reagir a um problema ou emergência inesperada. Estabelecer práticas de manutenção preventiva e manutenção baseada na condição pode ajudar a minimizar a necessidade de manutenção corretiva.

Passo 3: Entenda seus custos de energia Para cortar custos adicionais, proprietários de indústrias e equipes de instalações de águas e esgotos e de operações com petróleo e gás devem decifrar suas contas da concessionária de energia e entender os termos comuns de faturamento. Cobrança do cliente é um custo fixo baseado na faixa de consumo de energia elétrica prevista e no preço da potência atual consumida. Cobrança da energia ativa é o valor cobrado pela energia ativa consumida durante um período e se o uso foi o durante o horário de “pico” ou “fora de pico”. Cobrança pela demanda é a potência média mais elevada, consumida em qualquer intervalo de 15 minutos, durante um mês. Multa por fator de potência é a razão entre a “potência ativa”, que gera trabalho e a “potência aparente” que poderia potencialmente ser utilizada para gerar trabalho. Se o fator de potência for menor que um determinado valor estipulado no contrato da concessionária de energia, haverá uma multa na conta relacionada ao fator de potência.  As seguintes ações são recomendadas:

  • Analise o contrato da concessionária para entender os encargos do faturamento.
  • Ajuste o tempo de uso da energia no período de pico ao mínimo, transferindo o uso para os períodos fora de pico o máximo possível.
  • Reduza o valor da demanda de pico mensal, para reduzir o valor da cobrança por demanda.
  • Reduza o montante do consumo de energia que não gera receita.

Adotando tecnologias eficientes em termos de energia, implantando práticas confiáveis de manutenção otimizando o controle do custo da conta de energia, as indústrias que operam sistemas de bombeamento podem estabelecer um plano de gestão de energia eficaz, reduzir o TCO em 20%, e atingir suas metas de sustentabilidade operacional.

Baixe o white paper da Schneider Electric “Três Passos para Reduzir o Custo Total de Propriedade de Sistemas de Bombeamento” para obter mais detalhes.
Saiba mais